One Last Breath

Querida, nós dois sabemos: Que as noites foram feitas, sobretudo, para dizer coisas que você não conseguirá dizer amanhã.

Arctic Monkeys. (via autorias)

(Source: verbismo, via autorias)

— Você me ama?
— Gosto.
— Perguntei se me ama.
— Ok, gosto muito.
— Ainda não respondeu minha pergunta.
— Eu até que amo.
— Até que ama?
— É!
— Até que ama?!
— Por que fica perguntando do meu até?
— Fala de novo.
— Falei porque fica perguntando do meu até.
— Não isso, o “até que amo”.
— Por que?
— É engraçado.
— Engraçado?
— E provocante.
— Gosto de ser provocante.
— Eu também.
— Gosta de ser provocante?
— Você faz muitas perguntas.
— É que eu gosto…
— De que?
— De ver você falar.
— Por que?!
— Agora você quem tá fazendo muitas perguntas.
— Só responde.
— Você fica linda e “provocante” assim.
— Provocante… Interessante.
— O que?
— Você.
— Mas por que?
— Porque você tenta me tirar um sorriso.
— E não consegui?
— Não.
— O que é isso aí então?
— É que…
Que?
— Você é um idiota.
— E você me ama.
— Até que gosto.
— Gosta?
— Gosto, quase amo.
— Confessa.
— Ok, eu quase amo a cada dia.
— Todo dia?
— Pra sempre, se for preciso.

Shay, appeaser.  (via appeaser)

(via appeaser)

(Source: dualchainz, via jaredsasquatch)